sexta-feira, março 16, 2012

Palavrões nas redes sociais


Palavrões nas redes sociais! Tenho visto atualmente alguns crentes fazendo uso de palavrões com muita normalidade e até defendendo o seu uso. Até mesmo na Internet os usam sem qualquer receio. Parece-me que esse traço da cultura tem sido aceito como algo normal na vida do servo de Deus. Mas será que agem corretamente, professando ser crentes, e soltando palavrões sem problema?

Os palavrões, normalmente, são palavras que exprimem coisas indecentes, indignas, impuras, maldosas, violentas. Sendo assim, Jesus explica que: “… a boca fala do que está cheio o coração.” (Mt 12. 34). O uso de palavrões demonstra que o coração da pessoa está sujo de pecado, de impureza, de indecência, que são algumas das substâncias do palavrão. A boca é apenas um “escape” daquilo que está dentro da pessoa.

Devemos afastar de nós as palavras perversas. Que palavras são estas? Claro que são os palavrões, as palavras mentirosas, sujas, más. “Afaste da sua boca as palavras perversas; fique longe dos seus lábios a maldade.” (Pv 4. 24 – NVI)

Quem usa palavrões mostra um desvio em seu caráter. “O perverso não tem caráter. Anda de um lado para o outro dizendo coisas maldosas” (Pv 6. 12)

Existe algum palavrão “do bem”? Aquele palavrão usado [e aceito por muitos] para aliviar uma situação de raiva, de ira, de descontentamento, não é aceito como desculpa e nem sendo um palavrão “do bem” [não existe palavrão do bem!). O sábio, se não tem algo de bom para falar, fecha a sua boca e medita. “O coração do justo medita o que há de responder, mas a boca dos perversos transborda maldades.” (Pv 15. 28)

Qual o problema em falar um palavrãozinho leve? “De uma só boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não é conveniente que estas coisas sejam assim. Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso?” (Tg 3. 10-11). Se esse tipo de comportamento é tido como normal na vida do crente, algo está errado. Palavrão é tudo palavrão!

As palavras do cristão devem construir (edificar), e os palavrões não constroem nada, apenas destroem.
“Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem.” (Ef 4. 29)

Quem usa palavrões imita a Deus? “Vocês são filhos queridos de Deus e por isso devem ser como ele… portanto… Não usem palavras indecentes, nem digam coisas tolas ou sujas, pois isso não convém a vocês. Pelo contrário, digam palavras de gratidão a Deus.” (Ef 5.1-4 – NTLH)

Concluindo, podemos ver claramente que palavrões, em qualquer forma, não convém ao cristão. É importante observar, porém, que muitos cristãos que iniciam a sua caminhada, ainda têm muito fortemente em suas vidas as marcas da vida antes de se entregarem a Cristo. Estes devem ser orientados amorosamente a lutarem contra o costume de usar palavrões.

De: Adolas DA Primeira Ibc

Fonte: O jardim de Deus

0 comentários:

Comente!