sexta-feira, janeiro 06, 2012

Há uma escolha a ser feita

"Conta-se que certo homem estava perdido no deserto, prestes a morrer de sede. Foi quando ele chegou a uma casucha velha - uma cabana desmoronando sem janelas, sem teto, batida do tempo. O homem perambulou por ali e encontrou uma pequena sombra onde se acomodou, fugindo do calor do sol inclemente. Olhando ao redor, viu uma bomba a cinco metros de distância - uma velha bom de água, bem enferrujada. Ele se arrastou até ali, agarrou a manivela e começou a bombear, a bombear, a bombear sem parar. Nada aconteceu.
Desapontado, caiu prostrado para trás. E notou que ao seu lado havia uma velha garrafa. Olhou-a, limpou-a, removendo a sujeira e o pó, e leu um recado que dizia: "Você precisa primeiro preparar a bomba com toda a água desta garrafa, meu amigo. P.S.: Faça o favor de encher a garrafa outra vez antes de partir".
O homem arrancou a rolha da garrafa e, de fato, lá estava a água. A garrafa estava quase cheia de água!
De repente, ele se viu em um dilema: se bebesse aquela água, poderia sobreviver; mas, se despejasse toda aquela água na velha bomba enferrujada, talvez obtivesse água fresca, bem fria, lá no fundo do poço, toda água que quisesse. Ou talvez não.
Que deveria fazer? Despejar água na velha bomba e esperar vir a ter água fresca, fria, ou beber a água da garrafa e desprezar a mensagem? Deveria perder toda aquela água, na esperança daquelas instruções pouco confiáveis, escritas não se sabia quando?
Com relutância, o homem despejou toda água na bomba. Em seguida, agarrou a manivela e começou a bombear... e a bomba pôs-se a ranger e chiar sem fim. E nada aconteceu! E a bomba foi rangendo e chiando. Então surgiu um fiozinho de água; depois, um pequeno fluxo e, finalmente, a água fresca jorrou em abundância!
Para grande alívio do homem, a bomba velha fez\ jorrar água fresca e cristalina. Ele encheu a garrafa e bebeu dela, ansiosamente. Encheu-a outra vez e tornou a beber seu conteúdo refrescante.
em seguida, voltou a encher a garrafa para o próprio viajante. Encheu-a até o gargalho, arrolhou-a e acrescentou uma pequena nota: 'Creia-me, funciona. Você precisa dar toda água antes de poder obtê-la de volta' . E foi embora".


Muito provavelmente, você nunca estará numa situação igual a do viajante desta parábola. Mas como toda parábola, ela traz sua mensagem.
Um novo já ano começou, o que você pretende fazer em relação a sua comunhão com Deus? Vai escolher ficar somente com o conhecimento de que você já tem dEle ou irá entregar tudo o que tem(suas aflições, desejos, anseios e tudo mais) para receber "água fresca e cristalina em abundância" do Senhor?

A palavra de Deus diz:
"Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças". (Filipenses 4:6)

Somente livres do fardo que a nós mesmo, a sociedade, amigos e familiares nos impõem, poderemos desfrutar de uma comunhão mais íntima com Deus. O que você está esperando?

(Parábola retirada do livro "Como viver acima da mediocridade" )

0 comentários:

Comente!